Saiba como usar o recordatório alimentar como parte da estratégia de prescrição de dietas

recordatório alimentar

A reeducação alimentar é um trabalho de mão dupla. Por um lado, existe o profissional da saúde que precisa fornecer orientações para ajustar os hábitos alimentares do paciente. Do outro lado, o interessado na mudança deve seguir as recomendações de forma precisa e correta. Uma ferramenta que pode ajudar nesse processo é recordatório alimentar.

Trata-se de uma espécie de documento que ajuda a informar detalhes a respeito do consumo diário alimentar, para que o profissional da saúde conheça melhor os costumes e as preferências do paciente. Contudo, para que esse documento seja eficiente, é preciso utilizá-lo corretamente.

Quer saber mais detalhes? Acompanhe este texto e conheça a real importância do recordatório alimentar. Também, descubra quais informações não podem faltar nele. Confira!

Qual a importância do recordatório alimentar?

Por vezes, durante uma consulta e até mesmo durante todo o tratamento, é comum que os pacientes não saibam dizer o que consumiram durante o dia. Isso dificulta bastante o acompanhamento médico-nutricional, aumentando as chances de o tratamento fracassar.

Entretanto, com o uso do recordatório alimentar, é possível realizar o registro dessas informações. Esses dados fazem com que o profissional de saúde consiga ter acesso integral ao consumo diário, ou em período pré-determinado, daquele paciente.

O que é possível fazer com os dados do recordatório alimentar?

Tendo essas informações em mãos, vai ser possível verificar quais são os erros que precisam ser corrigidos durante a dieta e, também, os acertos que merecem ser elogiados. Ainda, o recordatório alimentar pode servir para o mapeamento do estilo de vida do paciente.

Dessa forma, vai ser possível construir planos alimentares que incluam suplementos, os quais ajudam a garantir qualidade de vida. A longo prazo, o recordatório alimentar também ajuda a criar uma linha do tempo, destacando a evolução do paciente.

Quais informações não podem faltar no recordatório alimentar?

Primordialmente, esse documento deve conter informações organizadas, para que seja possível verificar quais pontos devem ser salientados. Afinal de contas, nada adianta encher o recordatório de informações se elas não estão agrupadas da melhor maneira para serem interpretadas. De modo geral, o recordatório alimentar deve conter:

  • quantidade de alimentos ingeridos durante o dia ou período;
  • registro da ingestão de água;
  • quantidade de óleo e açúcar ingeridos nas refeições;
  • elencar produtos industrializados consumidos;
  • horários e local de cada refeição.

Além disso, é importante que, para cada informação, seja informada a quantidade dos alimentos. Por exemplo, se utilizou-se alimentos em pó ou em grãos, informar quantas colheres ou xícaras. Caso o alimento seja unitário, informar também a quantidade, por exemplo, duas maças médias ou grandes. Ainda, é fundamental que o paciente anote se o alimento é integral. Em caso de industrializado, solicitar a marca do produto para observar as informações nutricionais.

Essas foram as informações sobre o recordatório alimentar. Esse tipo de documento é fundamental para todas as faixas etárias, mas é ainda mais relevante para o público da terceira idade. Sobretudo, dentre outros motivos, é comum que idosos esqueçam de beber água, o que necessita de um maior controle por parte do profissional de saúde.

Então, quer receber informações como essas diretamente no seu e-mail? Assine nossa newsletter!

topo