Como fazer controle de estoque na farmácia de manipulação?

A produção de medicamentos manipulados requer grande variedade de insumos farmacêuticos. Para atender a essa necessidade sem ter prejuízos, é preciso fazer o adequado controle de estoque na farmácia de manipulação. Isso é muito importante para garantir a segurança e a qualidade das fórmulas.

Continue a leitura e saiba como fazer o controle das composições e ativos, como determinar a demanda e identificar o ponto de ressurgimento. Confira!

Prazos de validade e organização dos manipulados

Bem, por conta da grande variedade e quantidade de insumos utilizados na farmácia de manipulação, pode ser um desafio organizar de maneira produtiva todos os itens. Além disso, é preciso coordenar tanto os ingredientes quanto as formulações finais que são desenvolvidas.

A RDC n.º 67/2007 estabelece que o prazo de validade do produto manipulado deve estar de acordo com o período de tratamento ao qual ele será destinado. Por isso, é importante criar um cronograma para controlar o fluxo de diferentes itens em estoque, com prazos finais distintos.

Da mesma forma, a legislação também prevê a necessidade de se fazer um gerenciamento de resíduos. Cada farmácia de manipulação é responsável pela destinação segura de todos os insumos fora do prazo de validade.

Para um controle eficaz, todos os produtos devem estar etiquetados e, de preferência, separados por suas características físico-químicas. Isso pode ser feito com a ajuda de softwares e aplicativos ou mesmo com planilhas eletrônicas ou de papel. O importante é que tudo esteja devidamente registrado.

Determinação da demanda na farmácia

Um controle de estoque eficiente deve sempre levar em conta a demanda existente na farmácia. Não adianta ter uma quantidade muito grande de um insumo específico se ele não será, de fato, utilizado, não é mesmo?

Nesse sentido, é essencial conhecer o público e sua demanda. É importante registrar todas as entradas e saídas no estoque em um período. Esses dados devem ser comparados com os resultados de venda, o que ajuda a traçar um panorama mais confiável do que acontece em seu estabelecimento.

Na verdade, ao se conhecer melhor a demanda de determinados medicamentos, é possível realizar compras mais assertivas, que não gerarão desperdícios e, consequentemente, perda de investimento. Para os produtos de maior saída é possível realizar pedidos em maiores quantidades de um mesmo fornecedor, pois, assim, abre-se espaço para negociar com ele um preço melhor.

Ponto de ressuprimento (ou de pedido)

Outro fator a se considerar na gestão de estoque é o ponto de ressuprimento. Trata-se do limite preestabelecido de itens que, ao ser alcançado, dá início ao processo de reposição. Esse valor deve ser calculado conforme a entrada e saída dos materiais.

Para isso, é preciso avaliar a demanda de cada produto e também o tempo que demora para ele ser reposto. Nesse caso, também é importante fazer registros confiáveis em um período de tempo de segurança, que dependerá do fluxo da própria farmácia.

Atenção especial deve ser dada aos ativos higroscópicos. A instabilidade desses insumos exige cuidados especiais de armazenamento e controle mais rígido em relação às entradas e saídas. As etiquetas precisam estar bem descritas, inclusive com a temperatura ideal de manipulação (em torno de 25°C) e a umidade do ar (entre 30-45%). Vale ressaltar que alguns ativos necessitam de tratamento com excipientes anti-higroscopicidade para manterem a estabilidade.

Enfim, o controle de estoque em farmácia de manipulação depende de processos bem estabelecidos e acompanhados. Seu impacto se reflete nos resultados (e no bolso!).

Quer saber mais? Então, fique de olho em nossas redes para acompanhar as novidades. Estamos no Facebook e Instagram 😉

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo