Dicas para aumentar a adesão ao tratamento pelos pacientes

adesão ao tratamento

Muitas pessoas que sofrem com doenças crônicas, tais quais a diabetes e a hipertensão, não seguem uma rotina de cuidados eficiente. Esse descuido pode aumentar os danos e o sofrimento ao longo do tempo. No entanto, com a adesão ao tratamento, o indivíduo terá mais saúde e longevidade ao seguir um procedimento adequado ao seu quadro.

Há várias táticas que podem ser utilizadas pelos profissionais de saúde e prescritores no intuito dos pacientes não abandonarem os respectivos tratamentos. É de extrema importância que a correta administração deles também seja uma preocupação dos médicos, pois tal cuidado colabora na humanização do atendimento e na construção da empatia.

Nos tópicos abaixo, você conhecerá diferentes maneiras de orientar e, até mesmo, de fazer uma prescrição que possibilite o cumprimento a contento do foi estabelecido entre os dois, sem que aconteça a resistência por parte dos pacientes. Portanto, continue conosco e tenha uma boa leitura!

O que interfere na adesão ao tratamento

Um tratamento de saúde não deve ser observado apenas pela perspectiva médica ou biológica. Diversos fatores permeiam a experiência do paciente, que vão desde elementos psicológicos, culturais, sociais, socioeconômicos, institucionais e até mesmo a relação com aquele profissional especializado que o atendeu, interferem nessa questão.

Os dados do Ministério da Saúde foram capazes de identificar os perfis de pacientes que não seguem o tratamento. Veja abaixo quais são eles.

  • voluntários: por múltiplos motivos, decidem não tomar os medicamentos de forma parcial ou total;
  • involuntários: por desorganização, falha de conhecimento ou interpretação indevida das orientações da equipe médica, bem como esquecimento de horários;
  • aqueles que tiram “férias”: alguns pacientes costumam ter dias livres para não tomar a medicação, o que pode ser no fim de semana ou nas férias. Essa pausa pode atrapalhar a efetividade do tratamento;
  • aqueles que têm medo dos efeitos colaterais: outros pacientes podem temer os efeitos colaterais dos medicamentos e decidem não tomá-los.

Outros fatores levantados pela Revista Saúde Pública demonstra que a questão financeira, a perda de emprego, a ausência de um plano de saúde individual ou familiar ou o fato de ser ingerido mais de um medicamento por dia, afetam a adesão ao tratamento. Cada caso carrega sua particularidade e eles devem ser analisados a fim de buscar uma solução adequada.

Dessa maneira, como pode o profissional especializado mudar esse cenário e agir beneficamente na vida daquele paciente? Afinal, sabemos que, mesmo que ele não tenha todas as ferramentas para solucionar esses problemas, há maneiras de oferecer um incentivo diário e reverter toda essa situação que adia a conquista de uma rotina saudável.

O que pode ser feito para aumentar a adesão ao tratamento

Por mais que alguns contestem dificuldade e não consigam ter uma vida saudável ou, pelo menos, serem responsáveis no cumprimento dos respectivos tratamentos, todos desejam garantir o bem-estar e a própria longevidade. No entanto, é interessante investir em uma mudança de hábitos e, às vezes, é por meio de incentivos que ela, aos poucos, acontece.

Hoje, o comportamento do consumidor está muito ligado à influência. Ele gosta de dados que comprovem a veracidade das coisas e da opinião de pessoas que passam pela mesma situação, para ter certeza de que seus esforços não serão em vão. Como forma de incentivar essas pessoas a agirem com mais responsabilidade, veja algumas dicas que podem conscientizar os pacientes sobre a adesão ao tratamento farmacológico:

Divulgue sua importância

Agentes comunitários da área da saúde podem fazer uma campanha nos postos de saúde e alertar sobre a importância da adesão ao tratamento de doenças crônicas. O incentivo ao agendamento de consultas e o investimento em palestras são métodos para que os pacientes possam sanar suas dúvidas com os médicos e enfermeiros.

Também, pode-se fazer divulgação por meio de campanhas de marketing sobre a extrema importância da correta adesão. Elas poderão ser feitas com a ajuda de cartazes, colocados em locais de grande circulação de pessoas ou em ambientes virtuais que seu público-alvo visite assiduamente.

Além disso, é importante informar os números nesse tipo de comunicação. Eles são efetivos e mostram uma visão mais ampla dos efeitos da falta do não cumprimento. Por exemplo, de acordo com o Ministério de Saúde, se a hipertensão arterial não for bem tratada, 25% dos pacientes precisarão de diálise por insuficiência renal.

É imprescindível destacar que a melhora no estágio inicial não deve fazer o paciente parar sua medicação, muito menos achar que o que foi feito até agora é suficiente. Afinal, quando há um intervalo de tempo no qual não se segue o tratamento, é possível que os agentes infecciosos adquiram resistência. Por isso, é interessante destacar tais informações.

Administração conforme a rotina do paciente

As farmácias têm nas mãos uma das maiores responsabilidades na adesão ao tratamento, e ela poderá ser propagada por meio do seu investimento no marketing de relacionamento com os clientes. Estratégia essa que contribui tanto na atração de clientes ou fidelização dos consumidores, que já fazem parte da lista de cadastrados na farmácia magistral.

O contato direto ou via internet com o público-alvo permite a criação um vínculo de proximidade. Ao agir de forma correta, a farmácia tem a oportunidade de conquistar a confiança e ter credibilidade no mercado atuante. Com auxílio de certas ações, é possível acompanhar o paciente com questionários e conversas com a família.

Essa tática ajuda a equipe da farmácia a montar uma rotina adequada à realidade dele. Os medicamentos podem ser administrados de acordo com a rotina do cliente. Dessa maneira, ele não corre o risco de se esquecer e desistir do tratamento.

Ou seja, para melhor a adesão ao tratamento, o paciente pode tomar a medicação logo após as refeições, assim, adquire o hábito. Os profissionais da saúde devem mostrar que tudo pode ser feito da maneira mais fácil, para que o paciente não se perca ou fique desestimulado no meio do tratamento.

Adote os recursos tecnológicos

A tecnologia ajuda muitas pessoas a melhorar a rotina e serem mais organizadas no dia a dia. Existem diversos aplicativos para dispositivos móveis que facilitam a adesão ao tratamento pelos pacientes. Hoje, contamos com muitos apps com alertas que podem ser usados pelo prescritor no incentivo ao cumprimento da parte do paciente.

Por meio dessas ferramentas, ele poderá acessar plataformas de saúde e cadastrar os horários nos quais os medicamentos devem ser administrados. Dessa forma, os pacientes recebem uma notificação na hora certa, ajudando na questão do esquecimento.

No entanto, há outras formas de fazer esses lembretes e eles poderão ser propagados com a ajuda do WhatsApp, e-mail ou SMS, o que depende da familiaridade de cada um com tais canais de comunicação. No intuito de facilitar as rotinas e amenizar erros, a automação de processos é uma escolha indicada àqueles que sempre querem agir com eficiência e maximizar a qualidade do serviço.

Verifique a melhor forma farmacêutica

Uma das vantagens da farmácia magistral é a variedade de apresentações que um medicamento pode ter. Formatos de cápsulas, pó, gotas, xarope, doces, cremes, pastilhas e muitas outras podem estar à disposição do paciente. Dessa maneira, é essencial que se conheça as necessidades do indivíduo para indicar o melhor tratamento.

Aliás, essa é uma etapa importante. Afinal, a forma farmacêutica é capaz de aumentar a adesão ao tratamento de idosos ou crianças, por exemplo. Tornam as indicações médicas mais fáceis de serem seguidas, porque a gestão do atendimento é totalmente atrativa. O que beneficia a rotina de cuidados dos pacientes e a construção do seu diferencial competitivo.

Tenha uma boa relação com os pacientes

Essa questão serve para todos os profissionais da saúde que fazem parte do tratamento do paciente. Dos médicos até os farmacêuticos, é importante fazer com que as pessoas se sintam à vontade para tirar dúvidas e conversar a respeito de sua doença crônica. Explicar o motivo pelo qual determinado medicamento foi receitado, a função dele no organismo e demais detalhes é importante.

Esse cuidado faz com que ele tenha mais seriedade e esteja convicto da importância do uso correto dele. Além dessas ações, é interessante que o profissional seja sempre atencioso, objetivo e claro, na intenção do paciente se sentir seguro ao aderir o tratamento, o que faz com que o relacionamento entre profissional da saúde e paciente melhore.

Acompanhe e aconselhe conforme o caso

Existem exemplos de doenças que demandam esse acompanhamento, e é muito importante que o profissional de saúde faça o engajamento da adesão ao tratamento, devido ao fato de muitos esquecimentos e interrupções nos tratamentos. É o caso da hipertensão, que causa muitos problemas no metabolismo.

Também, há a tuberculose. Esses casos requerem uma certa atenção de médicos e farmacêuticos. Deve-se prescrever a medicação correta e conscientizar esses pacientes a seguirem corretamente as indicações para que o quadro não piore.

Neste artigo, você viu quanto é importante saber divulgar, explicar e orientar as pessoas com doenças crônicas sobre a importância da adesão ao tratamento. Somente assim, elas seguirão corretamente a terapia, em prol de uma melhor qualidade de vida.

Gostou deste conteúdo? Então, não deixe compartilhá-lo nas suas redes sociais para que mais prescritores se conscientizem sobre a importância desse assunto.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo