Quais os recursos para tratar a obesidade na adolescência?

obesidade na adolescência

Sabemos que a obesidade é um problema que atinge milhões de pessoas no mundo. Para além da aparência, a obesidade na adolescência pode acarretar numa série de problemas. Assim como, oferece riscos para a saúde, apesar da pessoas ser jovem.

Segundo o Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ), no caso da obesidade no Brasil, observamos um fenômeno de transição nutricional. Com isso, houve um declínio da desnutrição e do déficit estatural (efeito cumulativo do estresse nutricional sobre o crescimento esquelético) e, então, a emergência do sobrepeso e da obesidade com aumento de 112% da sua prevalência em adultos. No que diz respeito às crianças e adolescentes, o aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade foi de 4,1% para 13,9%.

Por isso, analisamos alguns estudos e fizemos um breve resumo com informações pertinentes ao tema. Assim como, apresentamos soluções farmacêuticas específicas para esse público, que têm se mostrado eficazes para o tratamento contra a obesidade na adolescência. Acompanhe e enriqueça seu conhecimento para melhorar ainda mais seu atendimento!

Tratamento e prevenção da obesidade na adolescência

Independentemente do tratamento escolhido para tratar a obesidade na adolescência, seja farmacológico ou cirúrgico, alguns pontos são essenciais para o sucesso:

  • Ofereça um atendimento individualizado: se possível, faça um acompanhamento mais próximo, como de 15 em 15 dias.
  • Realize uma anamnese alimentar completa: detalhada em qualidade, quantidade, preferências e intolerâncias, dentre outros.
  • Deixe os objetivos do tratamento bem definidos: buscando sempre aumentar a conscientização, o conhecimento e a motivação do adolescente.
  • Conheça bem o estadiamento puberal, isso ajudará a direcionar a ingesta calórica da melhor forma.

Tendo esses pontos em mente, lembre-se de reduzir gradualmente a ingestão calórica encontrada na anamnese. É fundamental não impor calorias especificadas em tabelas sem uma adaptação do adolescente. Além disso, seja sempre flexível, nunca autoritário. O sucesso do tratamento também depende da relação criada com o paciente, especialmente nessa faixa etária.

Assim, apoie sempre as partes positivas alcançados no tratamento, e indique soluções práticas para as negativas. Uma dica muito valiosa é envolver a família e incentivar participação em grupos de obesos e atividades educativas. Geralmente, os grupos trabalham excelentes atividades de reeducação alimentar e educação física; ambos excelentes para combater a obesidade na adolescência.

80% dos adolescentes obesos se tornam adultos obesos

Dentre muitas pesquisas que apontam os problemas causados pela obesidade na adolescência, um dado publicado no periódico argentino chama atenção. A revista Efdeportes, especializada em educação física e ciências da saúde em geral, publicou um artigo com diversos dados importantes sobre o assunto. Um deles diz que de acordo com os estudos de corte, cerca de 80% dos adolescentes obesos se tornarão adultos obesos. Além disso, o mesmo estudo revela que o excesso de peso iniciou-se na adolescência para aproximadamente 70% dos adultos obesos.

Como a obesidade é indicada como fator agravante e origem de diversos problemas de saúde, esse estudo denota a urgência em cuidar com um carinho especial da obesidade na adolescência. Aliás, é importante que os profissionais da saúde estejam atentos e sejam capazes de indicar dicas de prevenção.

Multidisciplinaridade deve ser considerada

O ideal é que, além do acompanhamento médico, outros profissionais sejam envolvidos. É preciso reforçar para o adolescente que diversos componentes são complementares para que um bom resultado seja alcançado. Por exemplo:

  • Uma dieta preparada e acompanhamento por um profissional habilitado;
  • Acompanhamento psicológico;
  • Atividades físicas orientadas por profissionais.

Além dessas opções, o mercado hoje oferece excelentes opções de nutracêuticos que podem ampliar a eficácia do tratamento. O SLENDACOR® por exemplo, é 100% natural, tem uso liberado para adolescentes e traz diversos benefícios além do controle do peso. Ao lado dele, também podemos apontar Zembrin®, outro nutracêutico de origem natural que ajuda a controlar a compulsão alimentar. Então, que tal entender mais sobre esses dois? Continue!

Como funcionam SLENDACOR® e Zembrin®?

Para entender como ambas soluções farmacêuticas podem combinadas, vamos ver como cada uma funciona. Para começar, SLENDACOR® é um nutracêutico que oferece todos os benefícios da Curcuma longa, Murraya koenigii (Curry indiano) e Moringa oleifera (Acácia-branca), três plantas comumente utilizadas na culinária indiana e medicina ayurvédica. Assim, dizemos que SLENDACOR® possui ingredientes naturais. 

E como ele age? SLENDACOR® é uma formulação patenteada, clinicamente comprovada no gerenciamento do peso, inibindo o desenvolvimento de células de gordura (adipócitos) e aumentando a quebra das células de gordura existentes. Portanto, SLENDACOR® inibe a formação de adipócitos e diferenciação de adipócitos (adipogênese e lipogênese) e acelera a lipólise. Um estudo clínico, duplo cego, controlado por placebo, mostrou que SLENDACOR®, otimiza as estratégicas clínicas no gerenciamento do peso, estimula a redução de medidas, reduz o índice de massa corporal (IMC) e influencia positivamente os níveis de colesterol, triglicerídeos, adiponectina e a diminuição do hormônio grelina.

Além disso, Zembrin® também possui elementos naturais, além de ter uma longa história de servir como uma solução natural. Trata-se de um ativo botânico, extraído da planta Sceletium tortuosum, originária da África do Sul. A história do Sceletium tortuosum foi revisada em várias publicações e descreve mais de 300 anos de uso documentado pelos povos indígenas da África do Sul, que conhecem Sceletium como “Kanna”.

Zembrin® tem ação rápida que garante uma melhora nos sintomas associados ao estresse e ansiedade; melhora do humor e da qualidade do sono, compulsão alimentar associada ao estresse, ansiedade e TPM e melhora da atenção e raciocínio, sem efeitos colaterais significativos. Sendo assim, sabemos que a obesidade na adolescência muitas vezes têm sua fonte na ansiedade e estresse dessa etapa da vida que pode levar à compulsão alimentar.

Conclusões sobre essa combinação 

Com Zembrin® e SLENDACOR®, é possível obter um tratamento seguro e tolerável, sem causar dependências, e conseguir mais resultados positivos contra a obesidade. Sendo assim, podemos dizer que Zembrin® promove uma menor necessidade de descontar os sentimentos na comida. Já SLENDACOR®, é capaz de ajudar na queima de gordura e consequentemente, no gerenciamento de peso. 

Dessa maneira, a dupla de nutracêuticos oferece mais qualidade de vida, assim como ajuda a lidar com a TPM e melhora a atenção cognitiva dos adolescentes.

Clique aqui para saber mais sobre o SLENDACOR® e entender como ele pode ajudar.

Referências: Adolescência e Saúde, Edfesportes, Veja

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo