Consultório online e telemedicina: o que são e como funcionam?

telemedicina

As duas modalidades são novidades no Brasil em tecnologia para o consultório, são elas: o consultório online e a telemedicina. Ambas são ferramentas para melhorar a relação médico-paciente. A primeira é uma estratégia que reúne grande parte das informações, disponíveis para médicos e pacientes, na internet. Essa é uma tecnologia que permite o acesso a informações importantes. Entre elas, agenda médica, prescrições, canais de comunicação, prontuários e a gestão do consultório.

Essa ferramenta online é uma tendência que tem solucionado o tratamento de vários pacientes. Sem contar que já é uma realidade que precisa fazer parte dos seus investimentos, pois proporciona melhores resultados financeiros e de gestão.

Já a telemedicina ou atendimento médico a distância, é uma forma de realizar o diagnóstico do paciente de forma remota. Com a chegada da Covid-19 no Brasil, desencadeada pelo novo coronavírus, o Conselho Federal de Medicina (CFM) encaminhou ofício para o Ministério da Saúde com a decisão de liberar, excepcionalmente, a ampliação da telemedicina no país. Essa decisão durará até o fim da pandemia.

Por isso, neste artigo você vai saber como ambas ferramentas funcionam e como elas podem ser implementadas pelo profissional da saúde.

Como funciona a telemedicina?

Na segunda, dia 23 de março, a Portaria no 467 do Ministério da Saúde, publicado no Diário da União, estabeleceu como seria encaminhado o atendimento médico online no país. Apesar de pouca gente saber, a modalidade já tinha sido aprovada por meio da Resolução CFM nº 1.643/2002 e, desde 2002, médicos faziam a leitura de laudos e realizavam consultas com outros médicos. Este último caso acontece no Hospital Albert Einstein, um dos mais renomados do país.

O caráter excepcional desta nova autorização visa ampliar as possibilidades de atendimento ao paciente. Será possível realizar um atendimento pré-clínico, suporte assistencial, consulta, monitoramento e diagnóstico. Dessa forma, com o intuito de reduzir os contágios por coronavírus e aperfeiçoar os serviços médicos no país, a telemedicina pode ser uma estratégia inovadora para a área da saúde brasileira.

O que está permitido na telemedicina?

Segundo a portaria aprovada, a telemedicina deve ser “mediada por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção da saúde.” Essas tecnologias devem ser de comunicação audiovisual e de dados. Elas devem garantir a privacidade do paciente e o sigilo de informações. Assim como, devem ser ferramentas seguras e que garantam a integridade dos dados trocados.

Além disso, o CFM decidiu aprimorar os serviços médicos prestados, liberando as seguintes atividades:

  • Teleorientação: para que profissionais da medicina realizem à distância a
    orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento;
  • Telemonitoramento: ato realizado sob orientação e supervisão médica
    para monitoramento ou vigência à distância de parâmetros de saúde e/ou doença.
  • Teleinterconsulta: exclusivamente para troca de informações e opiniões
    entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico.

Aliás, é importante ressaltar que a telemedicina e suas diretrizes são aplicadas tanto na rede pública quanto privada. Estão autorizadas quaisquer atividades da área da saúde, ou seja, o paciente poderá ser atendido por qualquer médico especialista. As informações trocadas no atendimento médico online devem ser registradas em prontuário clínico, com data, hora, tecnologia usada, dados do paciente e número do Conselho Regional Profissional do médico.

E a receita?

Ao final do atendimento, os médicos estão autorizados a prescrever receita médica e emitir atestado eletrônico. Portanto, é importante que a plataforma usada para a prática da telemedicina possa armazenar do prontuário à receita, e todos os demais procedimentos realizados com o paciente, incluído a anamnese clínica.

Sendo assim, é uma maneira de promover a saúde da população e facilitar o acesso ao serviço médico em regiões brasileiras onde o mesmo é escasso. Rompe barreiras entre pacientes e médicos, melhora a gestão de tempo do médico, além de conectar diferentes profissionais da saúde.

Outra maneira de melhorar essa relação com o paciente, é contar com um consultório online! Continue a leitura para saber mais.

Como ter um consultório online?

Percebe-se que a busca por consultas médicas em ferramentas de busca só cresce. Isso se dá por conta de os pacientes procurarem cada vez mais por um atendimento dinâmico e personalizado.

E para oferecer um atendimento de qualidade, é preciso se dedicar ao que realmente importa: seus pacientes. Mas saiba que ter um consultório online vai além de um bom sistema eletrônico. Afinal, não é isso que constrói uma eficiente gestão do consultório, apenas a revela.

Contudo, são poucos os médicos que estão investindo nessa tecnologia e estes já conseguiram ter um bom retorno. Para implementar e garantir que essa ferramenta online funcione corretamente, é preciso investir em um sistema de gestão médica online.

Dentre as principais iniciativas para se ter um consultório online, citamos:

1. Use ferramentas de marketing digital

Se você quer alavancar o seu relacionamento com os seus pacientes, foque em ferramentas de marketing digital! As redes sociais são essenciais para estratégias de marketing. Além disso, funcionam tanto para atrair quanto para fidelizar e aumentar a satisfação dos pacientes. Sem contar que são canais baratos e fáceis de manter, em que você contribuirá com dicas sobre saúde.

2. Utilize um sistema de gestão em vez de papéis

Implantando um bom sistema de gestão, você poderá registrar, assinar e armazenar todos seus documentos no meio eletrônico. Ou seja, é uma solução que substitui e elimina os documentos em papel.

3. Adote um prontuário eletrônico em seu consultório online

Um consultório online requer o uso de prontuário eletrônico, a fim de manter os dados de seus pacientes na internet. Assim, o médico poderá ter acesso em qualquer lugar e momento aos dados, com apenas um aplicativo no dispositivo móvel. Além disso, é possível padronizar as informações para deixar o atendimento ainda mais eficaz.

4. Usufrua do receituário e pedido de exames online

Prescrições médicas costumam gerar problemas, como a dificuldade para entender a letra do médico, por exemplo. Além disso, o paciente pode perder, rasurar e até tomar o remédio na dosagem errada. Com o receituário online, esses problemas são sanados, o que torna o procedimento mais eficaz. Sem contar que se evita o uso de papel.

5. Crie uma página na internet para seu consultório online

Dessa forma, a sua clínica será encontrada facilmente pelos potenciais pacientes. Porém, não deixe de investir em profissionais capacitados em ranquear a sua página nos buscadores, como o Google. Isso permitirá que ela fique nas primeiras posições nas pesquisas, o que gera aumento nas consultas agendadas.

6. Tenha uma agenda online

Ao contar com uma agenda online, você terá maior controle sobre suas consultas, especialmente se atender em mais de um consultório. Além disso, ela permite colocar seus horários disponíveis em uma plataforma, o que agrada muito os pacientes. Dessa forma, eles poderão fazer o agendamento das consultas no dia e horário mais conveniente, de forma mais rápida.

Então, gostou de saber o quão eficaz é a telemedicina e ter um consultório online? Compartilhe as nossas dicas nas redes sociais e contribua com outros profissionais da saúde!

*Estas informações são direcionadas exclusivamente a profissionais prescritores

Referências: iClinic, Portal CFM, UOL, PEBMED, Exame e Medicina Direta.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo